O Glamour Women Of The Year 2019 celebra mulheres fortes que estão fazendo a diferença no mundo. 

 

As mulheres do ano são de várias idades, origens e profissões, e, acima de tudo, estão dando passos para que o mundo se torne um lugar melhor. 

A noite foi comandada pela atriz Busy Phillips no Lincoln Center, no dia 11 de novembro. 

Palavras de Busy Phillips

“Há um ano, lancei um talk-show noturno chamado Busy Tonight“, disse Busy Phillips. “Sim, entrevistei celebridades e conversei sobre notícias da cultura pop, mas também queria aproveitar a oportunidade para falar subversivamente ao meu público sobre coisas como assédio sexual, racismo sistêmico e misoginia internalizada – você sabe, mas de uma maneira divertida. Eu também falei muito sobre minha menstruação. Então, diante da terrível legislação sobre direitos reprodutivos na primavera passada, compartilhei minha própria história de aborto no ar. Incentivei outras mulheres a se juntarem a mim nas mídias sociais usando a hashtag #YouKnowMe, que resultou no empoderamento de milhões de mulheres para não apenas se unirem à luta pelo direito da mulher de escolher, mas também para se livrarem de um estigma que não precisamos manter. por mais tempo. Eu até testemunhei no Congresso. ”

“Só acho que percebemos que, para que uma mudança aconteça, precisamos estar dispostos a fazer parte dela. E, neste momento, só espero que nossa esperança de como as coisas possam ser e nossa raiva de como as coisas tenham sido sejam muito maiores do que qualquer medo que possa nos impedir”, completou. 

Megan Rapinoe

A capitã da seleção feminina de futebol dos Estados Unidos, Megan Rapinoe, foi a primeira homenageada por sua luta contra a desigualdade e a discriminação. Em seu discurso, Rapinoe lembrou do quarterback Colin Kaepernick, que ainda é banido pela NFL por se ajoelhar durante o hino nacional em protesto à brutalidade policial contra pessoas de cor: “Seria um tapa na cara de Colin, e de tantos outros rostos, não reconhecer e trabalhar incansavelmente para desmontar esse sistema que beneficia alguns em detrimento de outros, e também está literalmente nos separando neste país. ” Em seguida, ela falou sobre a batalha da Seleção Nacional de Futebol Feminina para receber o mesmo salário que os colegas do sexo masculino. 

 

 

Margaret Atwood

O Lifetime Achievement Award foi para Margaret Atwood, autora de Handmaid’s Tale. “Muitas vezes me perguntam que palavras de encorajamento devo ter para as mulheres neste momento”, disse Atwood. “Com tantos países tentando reverter os direitos das mulheres, com mulheres políticas sujeitas a ataques cruéis e com incerteza em todos os lugares, o que é encorajador para mim é ver como as mulheres estão se unindo. No jornalismo, pesquisar e expor abusos; nos negócios, para inventar suas próprias empresas; na política, defender e ampliar a democracia; e na saúde e bem-estar, para ajudar outras mulheres em todo o mundo. ”

 

 

Prêmio L’Oréal Paris Heroes Among Us 

Para receber o prêmio L’Oréal Paris Heroes Among Us, a atriz e embaixadora da L’Oréal Paris, Aja Naomi King, chamou Nadya Okamoto, uma estudante de Harvard, e Monica Gray Logothetis, cofundadora da DreamWakers. Okamoto fundou a Period, organização que fornece produtos de higiene pessoal feminina para o período menstrual. Já a DreamWakers de Logothetis é uma organização sem fins lucrativos de tecnologia educacional que traz modelos profissionais para salas de aula de baixa renda por meio de bate-papo por vídeo. 

Greta Thunberg

A jovem ativista de 16 anos Greta Thunberg também foi homenageada no Glamour Women Of The Year 2019. A atriz e ativista Jane Fonda recebeu o prêmio em nome de Thunberg.  “Eu não conheci Greta Thunberg, mas Greta Thunberg mudou minha vida”, disse Fonda. “Estou me sentindo ansiosa e deprimida porque sabia que não estava fazendo o suficiente diante dessa catástrofe que está se aproximando. Eu dirijo um carro elétrico. Parei de usar plástico descartável em minha casa. Eu como muito menos carne ou peixe…. Essas coisas são maravilhosas. Eles são muito importantes, e todos devemos fazer isso, mas é um ótimo lugar para começar – não é um ótimo lugar para parar “.

 

 

Tory Burch

Para apresentar a próxima homenageada, a atriz Danai Gurira disse que a estilista Tory Burch investe em empreendedoras e em campanhas de conscientização, nutrindo e fortalecendo a ambição de outras pessoas. 

Burch iniciou seu discurso agradecendo sua equipe, que é composta por 80% de mulheres. “Quando iniciei a empresa, apresentei meu plano de negócios a potenciais investidores – todos homens. Eu disse a eles que iria construir uma empresa com propósito em sua essência ”, disse ela. “Eles disseram muito concretamente que nunca mencionam as palavras empresa e responsabilidade social na mesma frase. Isso apenas aumentou minha determinação. O que eles chamavam de trabalho de caridade, eu chamei de plano de negócios. ”

 

 

Ava DuVernay

A diretora Ava DuVernay foi homenageada por seu apoio às atrizes e à equipe feminina em seus sets, lutando pela igualdade de gênero. “Também acredito em criar suas próprias portas, criar seu próprio sistema, de tal maneira que a inclusão seja necessária. Minha verdade é que não quero uma cadeira à mesa, nem três, nem metade. A verdade é que quero que a mesa seja reconstruída à minha semelhança”, disse DuVernay

 

 

 

 

RAICES

As mulheres do Refugee and Immigrant Center for Education and Legal Services (RAICES) foram homenageadas por sua luta pelos direitos dos imigrantes. 

“No ano passado, a Patrulha da Fronteira prendeu quase um milhão de migrantes, muitos mantidos em centros de detenção insalubres e superlotados por meses seguidos. Todos já ouvimos histórias de horror de deportações e separações familiares ”, declarou Lucia Allain. “Mas hoje à noite você ouvirá sobre uma organização no Texas que tenta corrigir os erros e aproximar as famílias, fazendo o possível para levá-las ao caminho da cidadania americana”.

 

 

Yara Shahidi

Yara Shahidi é uma estudante e ativista cívica. “Ser mulher é ser abolicionista”, disse Shahidi. “Ser mulher é entender o poder do nosso sim, é claro, mas entender como é inovador e abalador de sistemas dizer não. Mas é porque não é produtivo. Nosso não não fica parado dizendo: ‘Estou bem em descontentar com o sistema à minha frente’. Nosso não entra em ação. Nosso não se levanta. Nosso não é aliança. Nosso não entende que devo lutar por algo maior do que eu, porque sou vocês e vocês são eu e somos um do outro. Nosso não entende que estamos destruindo esse sistema, o que significa se conectar, apesar de tudo. Mas é por causa de nossas diferenças na criação de espaços para celebrar um ao outro. ”

 

 

Charlize Theron

Ao receber seu prêmio de Glamour Women of The Year 2019, Charlize Theron, que luta contra o assédio sexual, disse que “precisamos ajudar os de coração duro e simpatizar com os outros”. Em seguida, ela incentivou as pessoas a contarem suas histórias. “Tenha orgulho disso. Não se preocupe com todo mundo gostar de você. Lave o rosto, mesmo se você estiver super cansado. Assuma riscos. Irradie empatia. Lute pela mudança. Porque são as pessoas, especialmente as meninas, que têm o poder de criar mudanças.”

 

 

 

Looks do Glamour Women Of The Year 2019