Spread the love

Maria Grazia Chiuri olhou para os arquivos da Dior da década de 1960 para criar a coleção de Primavera 2022.

A estilista olhou, mais precisamente, para a gestão de Marc Bohan como diretor criativo da Dior, destacando a coleção de 1961, que foi descrita pela imprensa como “muda completamente a moda, assim como o New Look em 1947”.

A vibe esportiva, principalmente de tênis, boxe e mergulho, estavam presentes com polos, saias pregueadas e conjuntos de shorts, tops e casacos mais folgados e nas peças de náilon.

Cores fortes como vermelho, verde, rosa, laranja e amarelo, que simbolizaram as geometrias espaciais em torno dos jogos da artista Anna Paparatti, principalmente no Il Gioco Del Nonsense (O Jogo do Nonsense) para questionar as regras da arte e da vida. O cenário do desfile também foi criado por ela. Chiuri ficou impressionada com a capacidade da artista de “explorar o conceito de brincar como um espaço para questionar a realidade e abrir as portas para a imaginação”.

“A essência da moda também é um jogo, as pessoas usam roupas para se apresentar, para se descreverem, para se divertirem”, declarou Chiuri.

As silhuetas, bem década de 1960 como jaquetas quadradas e curtas, que substituíram a bar Jacket, e vestidos trapézio, evocam a discoteca romana Piper Club, local amplo e colorido e um emblema da liberdade. Os sapatos baixos estilo Mary Jane e botas go-go eram outro aceno à época,

Havia estampas de leopardo e camuflagens, além de imagens de animais que foram ampliadas e receberam bordados 3D.

Amei ter visto a estampa clássica cannage da Dior.

Confira a seleção de looks:

Gostou do post? Compartilhe-o!

Siga-me no instagram: @passarelando

Acompanhe minha página no Facebook: Passarelando

Acompanhe-me no Youtube

Site | + posts

Bacharela em Direito e apaixonada por moda. Criadora do Passarelando. Escrevo sobre moda, história e arte, além de tendências, dicas, looks de Tapete Vermelho, inspirações para looks do dia e o melhor das Semanas de Moda Nacionais e Internacionais.