Miss Dior teria sido a maior inspiração para Maria Grazia Chiuri criar a coleção de Primavera 2020 da Dior

Para o desfile da Coleção de Primavera 2020, Maria Grazia Chiuri trabalhou com o coletivo de design ambiental Coloco, com sede em Paris. Foram usadas 164 espécies diferentes de árvores de todo o mundo e, com isso, Chiuri quis trazer a importância vital da biodiversidade e da sustentabilidade. As “show trees” serão plantadas em breve em vários locais ao redor de Paris. 

Outra inspiração para Chiuri foi Catherine Dior, irmã de Christian, que, após a Segunda Guerra Mundial, tornou-se uma grande jardineira e botânica. “Era uma maneira de ela esquecer a guerra”, observou Chiuri. Catherine cuidou dos jardins da família, o mundo em que Dior buscou inspiração (a primeira fragrância da Dior, Miss Dior, foi dedicada à Catherine). 

Catherine inspirou materiais orgânicos como ráfia e ternos de estopa com bordados de folhagem ou estampa de grade de jardim. Daí vieram macacões e roupas de jardinagem. Também tivemos estampas de ilustrações botânicas de estilo antigo e saias de tule. 

Jaquetas quadradas, calças mais largas, vestidos de vários estilos com volume nas costas. Os vestidos eram de renda, ráfia, jacquard, seda e tule em camadas. 

Havia muitos looks montados com camisas azuis masculinas. 

Eu, particularmente, amei as peças de algodão cinza. 

Além disso, havia jeans de lavagem do ácido. 

Para os pés, coturnos perfurados e alpargatas com logomarca. 

Tanto no cenário quanto nas estampas estava “uma memória de espécies botânicas que compõem a beleza e a diversidade da natureza, que devem ser protegidas e sustentadas”, dizia as notas do programa. “Temos que nos educar. Não sei se podemos chegar a um ponto em que podemos dizer que somos sustentáveis. Mas acho que podemos fazer o possível para impactar menos. Temos que ser transparentes com o nosso público. A moda pode fazer muito, porque tem o poder de afetar as escolhas de seu público”, acrescentou Chiuri

Confira a seleção de looks: